Polícia Civil divulga informações sobre dois crimes de homicídios ocorridos em dezembro

Por volta de 13h30 do dia 21 de dezembro, uma mulher, 27 anos, foi morta no bairro Juscelino Kubitschek, região Sudeste de Juiz de Fora. O suspeito do crime é um jovem de 18 anos.

De acordo com as informações do titular da Delegacia Especializada de Homicídios, delegado Rodrigo Rolli, a vítima estava sentada em frente a casa quando foi surpreendida pelo autor, que estava de posse de uma arma, e efetuou disparos conta ela. Em seguida, ele fugiu e recebeu auxílio de um co-autor do crime, 21 anos, que estava alguns metros à frente em um gol preto. “A equipe de investigadores foi a campo logo depois do dia do crime e trouxeram várias informações.Testemunhas veladas foram trazidas àDelegacia, além de testemunhas do local do crime, que identificaram os dois autores. Ambos são moradores da região Sudeste”, explicou o delegado. Após as diligências, os policiais civis conseguiram identificar o veículo e passaram a monitorá-lo.

 

Foto: Rafaela Frutuoso.

 

A polícia ainda vai apurar para saber de qual arma foi feito o disparo. Rolli explicou que o veículo utilizado pelos autores envolvidos no crime foi furtado um dia antes do ocorrido. O carro estava sendo utilizado com uma placa também furtada pelo autor dos disparos. “Percebe-se que os autores adulteram o veículo com o objetivo de praticar o homicídio em si e dificultar as investigações. A equipe de investigadores conseguiu elucidar esse fato”, disse. Após o crime, o autor continuou utilizando o veículo.Através de imagens apuradas pela equipe de investigadores da Delegacia Especializada de Homicídios, é possível identificar o autor utilizando o carro em um dos shoppings de Juiz de Fora. “A equipe monitorou esse veículo por vários dias e conseguimos imagens que mostram o autor adentrando, em dias diferenciados, no shopping juntamente com a família. O veículo ainda com a placa adulterada que foi furtada dentro desse mesmo shopping. As imagens demonstram que ele praticara outros crimes como furto de veículo e a adulteração de sinais identificadores de veículo. Outros dois crimes além do homicídio”, explica.

 

 

Na última segunda-feira, 7, a Polícia Militar conseguiu efetuar a prisão do autor dos disparos. “Através de informações foi possível chegar a duas pistolas 380 que estavam em poder do autor e apreendê-las. As armas estão ligadas ao crime”, explica Rolli. As armas encontradas estão apreendidas e são de origem particular. Uma das armas pertence a um policial militar e foi furtada no dia 30 de setembro de 2011 de dentro do veículo do policial. A outra pertence a um ex-agente penitenciário que está preso desde 2017 após uma ação realizada em Juiz de Fora pelo Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), pela Polícia Militar e do Sistema Prisional.Ele foi condenado, no último dia 3 de dezembro, a 21 anos de prisão. O delegado ainda disse que o ex-agente penitenciário informou que a arma, a princípio, estaria em reparos.“Não há identificação de qual fora a justificativa dele para essa arma estar em seu poder.Encontramos, infelizmente, com a criminalidade”, comenta. Rolli ainda informou que o autor confessou o crime. “Após a prisão do autor nós conseguimos ouvi-lo e ele confessa a prática do crime alegando uma desavença pessoal. Contudo, a nossa investigação leva ao tráfico de drogas, uma vez que a vítima já tinha envolvimento e nós sabemos do envolvimento do autor em outras situações na região”, disse.

O autor está preso desde o dia 7. O co-autor do crime foi indiciado. O inquérito está em andamento. A Polícia Civil suspeita que mais pessoas estejam envolvidas.

 

HOMICÍDIO OCORRIDO NA NOITE DE NATAL

Além do caso ocorrido no bairro Juscelino Kubitschek, a Polícia Civil também esclareceu detalhes sobre o homicídio que ocorreu no último dia 25 de dezembro. O crime que resultou na morte de D.S.R., 35 anos, aconteceu por volta de 1h30, no bairro Granjas Betânia, região Nordeste de Juiz de Fora.

De acordo com as informações apresentadas, o suspeito do crime é um colega da vítima, 18 anos, e foi reconhecido por testemunhas. Eles eram conhecidos há, pelo menos, quatro anos, como aponta as investigações. Em depoimento, explicou Rolli, o suspeito confessa o crime e alega que a morte da vítima ocorreu após uma “desavença momentânea”, após o autor ser agredido e revidar.

As apurações da Delegacia Especializada de Homicídios apontam que o crime teria ocorrido após desentendimento em relação ao uso de drogas e, posteriormente, D.S.R.foi esfaqueado. A arma do crime não foi identificada e o autor segue em liberdade. O delegado Rodrigo Rolli explica que não foi pedido a prisão do autor por não haver envolvimento com criminalidade secundária. “Não existe qualquer envolvimento com criminalidade secundária em torno do crime. É um fato isolado, momentâneo, uma desavença pessoal entre eles. Eram até conhecidos há mais de quatro anos.Por não estar ligado a criminalidade, ao tráfico ou a qualquer outro tipo de crime que gerou o homicídio, e também por ele não ter antecedentes, a gente não vê a necessidade de prisão neste primeiro momento. Se o judiciário posteriormente decidir, iremos cumprir o mandado contra ele”, explica o titular da Delegacia.

Agora, Polícia Civil deverá encaminhar à Justiça o inquérito. O autor será indiciado por homicídio qualificado, por motivo fútil e por dificultar a resistência da vítima.

Compartilhe




Receba nossa Newsletter gratuitamente



Digite a palavra e tecle Enter.