Brasil derrota Holanda no tie-break e segue vivo no Mundial

Não foi nada fácil, mas o Brasil encontrou formas de se superar dentro da partida e venceu de virada a seleção da Holanda pela segunda fase do Campeonato Mundial de vôlei feminino. Com grande partida  de Tandara (28 pontos), as brasileiras venceram, na madrugada desta quarta-feira (10), a Holanda por 3 sets a 2 (21/25, 25/18, 27/25, 25/19 e 15/7) e seguem vivas na competição.

É fato que uma vitória por 3 sets a 0 seria o ideal, mas ela veio em cinco sets. O Brasil ainda tem chances de classificação, mas dependerá de um resultado favorável da Sérvia contra o Japão, além, é claro, de vencer o próprio Japão na próxima rodada.

Diante do bom momento holandês na competição, o Brasil não poderia jamais cometer tantos erros no começo de uma partida tão decisiva. 10 erros matam qualquer equipe, ainda mais contra um adversário que vem invicto.

Tandada tocou na rede, errou saque, errou ataque e sofreu para pontuar. A recepção não funcionou. Drussyla foi o alvo e não conseguiu corresponder. A Holanda definiu seu alvo no saque e se aproveitou. Sempre que o Brasil esboçava uma reação, a Holanda contava com um erro e seguia à frente.

Sem o passe na mão, Roberta sofreu para levantar, e o ataque brasileiro não assustava as holandesas. Por várias vezes, as brasileiras atacaram com deixadinhas, isso porque o levantamento estava impreciso, muito perto ou afastado da rede. E Holanda foi pontuando, se soltando na partida. Com muita determinação, as holandesas fizeram 25 a 21 e saíram na frente.

O Brasil voltou mais ligado para a segunda etapa, mas o que botou fogo na partida foi a entrada de Garay. Após mais um erro na recepção, Drussyla foi substituída por Fernanda Garay, e a seleção finalmente entrou no jogo.

Tudo melhorou. O passe começou a entrar e Roberta pôde distribuir bem o jogo. Com Garay, a Holanda se perdeu na marcação, e passou a errar demais. Foram 12 erros das holandesas, contra apenas cinco do Brasil. Gabi jogou mais solta, Tandara entrou no ritmo de sempre e o Brasil deslanchou, fez 25 a 18 e empatou em 1 a 1 em sets.

E o embalo não parou. As brasileiras entraram com muita vontade. Principalmente Bia e Roberta. A central começou a terceira parcial bloqueando e atacando demais. Roberta era precisa nos levantamentos e até conseguiu um bloqueio. Rapidinho, o Brasil fez 8 a 1. E a diferença se manteve favorável até o meio do set. Porém, com erros seguidos na recepção e erros no ataque, a Holanda encostou e empatou em 16 a 16.

Zé Roberto mexeu no time, colocou Natália e o Brasil voltou a se encontrar. Em outra boa mexida, Drussyla entrou e fez um ponto de saque. Mas a Holanda não desistiu e empatou de novo, agora em 23 a 23. Daí para frente, as equipes trocaram vantagens, até que Tandara errou um ataque simples e Plak pontuou em seguida: 27 a 25 para a Holanda. Após liderar por quase todo o terceiro set, o Brasil voltou a ficar em desvantagem na partida.

Tenso, muito tenso. Assim foi o quarto set. Nenhuma das equipes conseguia abrir vantagem. Cada ponto era muito comemorado pelas duas equipes. A igualdade seguiu até 15 a 15. Foi aí que o bloqueio brasileiro cresceu, emendou alguns pontos e tirou o ímpeto das holandesas. Com um 25 a 19, as brasileiras forçaram o tie-break.

Quinto set é sempre tenso, mas esse foi demais. O Brasil jogava a sobrevivência na competição, era preciso jogar com tudo. Tandara jogou demais, chamou a responsabilidade e infernizou as holandesas. Garay também foi muito bem. As brasileiras, quando pressionadas, respondem bem. E com um bloqueio maravilhoso de Carol, o Brasil fez 15 a 7 no tie-break.

Fonte: Olimpiadastododia

Compartilhe




Receba nossa Newsletter gratuitamente



Digite a palavra e tecle Enter.