Alimentos com grande quantidade de açúcar e cafeína são prejudiciais para quem tem labirintite

Alimentos com grande quantidade de açúcar e cafeína são prejudiciais para quem tem labirintite

As causas da labirintite, inflamação no labirinto, estrutura localizada no ouvido e responsável por manter o equilíbrio do corpo, ainda não são muito claras. Segundo profissionais, é sabido que o problema começa com uma inflamação, mas pode estar relacionado a outros fatores como tumores, doenças neurológicas, compressões mecânicas, alergias e uso de medicamentos prejudiciais à saúde do ouvido interno. O que se sabe, no entanto, é que alguns alimentos também podem contribuir para que as crises de fortes tonturas aconteçam quando o paciente já desenvolveu o problema.
Segundo a nutricionista Adriana Macedo Vargas, muitos profissionais têm tratado a deficiência de maneira multidisciplinar. A nutrição também tem um papel importante para prevenir crises, visto que alguns alimentos podem interferir negativamente no organismo do paciente.
“Alguns alimentos podem ser evitados. Com essa onda de dieta, muitas pessoas estão adotando dietas com alimentos termogênicos, que aceleram o metabolismo. Esses alimentos podem trazer uma tontura maior, porque ao acelerar o metabolismo, podem propiciar a crise. Gengibre, café, chá verde, e alguns alimentos açucarados são os mais que têm causado danos aos que sofrem da deficiência. Os doces, confeitos e bolos, principalmente, são os primeiros alimentos que devem ser tirados da dieta. O ideal é usar apenas o açúcar mais natural possível”.
Adriana lista também os alimentos que podem contribuir para que o paciente mantenha uma dieta saudável, sem restrições nutricionais. “Estou tirando do cardápio dos pacientes a carne vermelha, que tem dificuldade de digestão, o que tem feito com que os pacientes diminuam as crises. E prefiro incluir no cardápio vegetais, folhosos e alimentos ricos em fibras. Também indico aos pacientes líquidos isotônicos e pão integral, pois o pão branco também pode trazer mal-estar. Óleo de peixe também tem proporcionado excelente resultado, pois tem diminuído as crises por conta do Ômega 3”.
A nutricionista ainda explica que, geralmente, o quadro de labirintite está relacionado a outras deficiências do organismo. “O quadro de labirintite está ligado a outros quadros, como diabetes e hipertensão, por exemplo, então essas patologias são tratadas em conjunto. É mais comum o problema em mulheres após os 40 anos, mas o diagnóstico é difícil. Quando vemos a queixa do paciente com sintomas de labirintite, encaminhamos para o profissional específico”.
A nutricionista finaliza alertando para os perigos da ingestão de refrigerantes e produtos com cafeína. “Esses produtos têm causado danos e contribuído para o surgimento dos sintomas. A bebida alcoólica destilada também é perigosa. O vinho suave, com adoção de açúcar, também tem causado dor de cabeça e tonteira. É bom dar preferência a sucos naturais ou sucos de garrafa. Até a água pode ser uma vilã, pois o paciente com labirintite tem certo desequilíbrio e, se for beber água cujo açúcar não é proveniente da frutose ou o sódio não for natural, as crises podem acelerar. O ideal é tentar se hidratar com líquidos isotônicos e água de coco”.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro