Polícia Militar Rodoviária reforça alerta sobre manutenção de veículos

Polícia Militar Rodoviária reforça alerta sobre manutenção de veículos

Radares, sinais com registro de avanço, multas mais duras. Mesmo com tanta fiscalização, motoristas ainda insistem em cometer infrações que põem risco a própria vida e a dos outros. Exemplo disso são os pneus “perucados”. Vendidos de má fé como remoldados ou de meia vida, na verdade são um improviso perigoso.
Na prática, borracheiros colocam uma capa de borracha para cobrir as partes gastas. O problema é que essa espécie de ‘peruca’ interfere na estabilidade do veículo e ainda pode soltar e causar acidentes graves. O que seduz são os preços. Colocar a peruca custa 40% do valor de um pneu novo.
José Nathan, presidente do Sindicato Interestadual dos Caminhoneiros, admite ter passado aperto com um pneu desse tipo. Ele fez a troca em uma borracharia de beira de estrada e seguiu viagem. O caminhoneiro carregava madeira de Guanhães para Brasília e, enquanto passava pelo Véu da Noiva, sentiu uma explosão.
O pneu que ele havia comprado cedeu de repente, obrigando-o a fazer uma manobra arriscada para que não capotasse. Mesmo assim, toras com cerca de 200 quilos caíram na pista. Uma senhora e uma criança que estavam na calçada foram arremessadas com a explosão. “Foi sorte ninguém ter morrido. Quem compra pneu sem saber a procedência está arriscando e, na estrada, é tudo mais perigoso”, afirma.
Nathan agora prefere investir em pneus novos, mas conta que ainda há quem se arrisque. Há cinco anos ele presenciou um acidente com “os perucados”. “Um casal estava em uma motocicleta na BR-381, próximo a Betim, quando o veículo bateu em uma carcaça. Eles morreram na hora”, conta o caminhoneiro, que acompanha de perto o assunto desde que sofreu com os “perucados”.
De acordo com o tenente do Batalhão de Polícia Militar Rodoviária (PMR/MG), Geraldo Donizete, a parte emborrachada desse tipo de pneu cede com o aumento de temperatura ou variação de velocidade. A carcaça pode se desprender na via e causar acidentes.
“Não vale a pena este tipo de economia. A possibilidade de acidentes é enorme. Isso sem contar que fazer este tipo de intervenção é crime. A utilização de pneus irregulares pode render cinco pontos na carteira e multa de R$127,60”. Por outro lado, a manutenção periódica dos pneus originais garante a segurança de seus usuários, oferecendo rendimento e economia de combustível para motos, automóveis e caminhões.

(Fonte: Agência Minas)

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro