Levy afirma que redução da meta fiscal é 'inconveniente' e 'um equívoco'

Levy afirma que redução da meta fiscal é 'inconveniente' e 'um equívoco'

Em meio à possibilidade de alteração da meta fiscal do ano que vem, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, continua firme na sua posição de defender um resultado de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB). Para ele, a possibilidade de mudar a meta é "inconveniente" e classificou como um "equívoco" a mistura da meta "por causa do Bolsa Família". "(Isso) não fica de pé", disse Levy. Na avaliação do dirigente da Fazenda, "as camadas de maior renda estão ansiosas para participar do esforço fiscal e trazer o Brasil de volta para o crescimento".
O ministro reforçou a necessidade de aprovação das medidas provisórias, que atingem as classes de maior renda e que foram enviadas ao Congresso. Com a aprovação dessas matérias, o caixa do governo no ano que vem ganhará um reforço. "Tem que focar na votação de medidas que são importantes e que foram mandadas dois ou três meses atrás", afirmou.
Entre as MPs enviadas pela Fazenda, está a 690, que trata da incidência do Imposto de Produtos Industrializados (IPI) sobre bebidas e fim da isenção de PIS/Cofins sobre eletrônicos. Há também a MP 692, que altera a cobrança de Imposto de Renda sobre ganhos de capital e no programa de redução de litigamos tributários. A MP mais enfatizada por Levy foi a MP 694, que trata do IR sobre juros de capital próprio e fim do benefício fiscal para a indústria química.
Sobre o corte de R$10 bilhões no Bolsa Família, Levy disse que "ninguém vai querer se esconder atrás do Bolsa Família para não tomar as medidas necessárias para o Brasil ir no rumo correto, de preservação dos empregos e de estabilidade e tranquilidade para as famílias".
O ministro frisou que a iniciativa é trazer novos investimentos para o país num ambiente "mais eficiente, mais seguro e com preços atrativos e transparência".

 

Fonte: Agência Estado

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro