Eles veem o uísque que a gente toma...

Eles veem o uísque que a gente toma...

A frase, usual em nossos dias, pode até parecer um pouco vulgar. Afinal nem todos tomam ou podem ser dar ao prazer de consumir uísque. Mas ela expressa bem o que pretendemos dizer.

Infelizmente existem muitas pessoas dadas ao despeito. Assistem o sucesso dos outros, mas não se conformam. Acham que são melhores e que nunca tiveram uma oportunidade de vencer.

Como se oportunidades caíssem dos céus. Não acordam cedo, não se dedicam com afinco aos seus projetos e nem ajudam a construir o outro. Pensam, apenas, no seu próprio mundo e nunca atingem o sucesso buscado. E criticam o sucesso dos outros. Quando vejo pessoas de sucesso sinto estar diante de pessoas que deram um pouco mais de si que a maioria. Quanto vejo pessoas de sucesso busco aprender com elas.

Na verdade muitos assistem o sucesso dos outros achando que eles chegaram ali por ocaso, com pouco ou nenhum esforço ou sacrifício. E invejam esse sucesso.

Contemplam-se exclusivamente na figura de sucesso sem se ater ou procurar saber como as pessoas chegaram até ali. Muito esforço foi certamente despendido, muitas noites perdidas, muita luta empreendida. Na verdade, boa parte das pessoas vê o sucesso do outro, mas não os esforços desenvolvidos para chegar ao sucesso. Daí o sentido da frase popular: “Eles vêem os uísques que a gente toma mas não os tombos que a gente leva.”

E chegam a afirmar: que vida boa. Mas não vêem os tombos que a gente leva. Ou seja, tudo tem dois lados. É preciso estar com os olhos bem abertos para vê-los. Como diz outro ditado popular: “Depois da tempestade vem a bonança”. Mas, para ter a bonança é preciso enfrentar a tempestade.