NOSSOS AMIGOS

NOSSOS AMIGOS

As amizades nascem ou se formam, em geral, em decorrência de uma convivência de trabalho, de estudo, de esporte ou de lazer. Muitas vezes esmorecem ao fim dessa convivência, se não alimentadas com o permanente contato e afeto. As circunstâncias fazem com as pessoas se aproximem e, daí, os laços de afinidade aprofundam ou não o relacionamento. Mas há também amigos que se formam à distância, inclusive, hoje, por meios virtuais. Nem por isso são menos importantes, mas falta o energético contato físico. Os amigos são imprescindíveis na nossa vida diária e devemos fazer, de nossa convivência, fonte de satisfação e progresso. Costumo dizer que a manifestação recíproca de admiração e apreço é inesgotável fonte de energia; faz os dois crescerem. Afeto não é algo que se dá e perde; é algo que se dá e ganha. Amigos são aqueles que nos consolam nos momentos de dor e sofrimento, mas também se sentem felizes com o nosso sucesso, o que exige um profícuo exercício de espiritualidade. Nossos amigos têm defeitos, assim como também nós temos. Se aceitamos os nossos defeitos e temos que conviver com eles, por que não aceitarmos os defeitos dos nossos amigos? Não podemos exigir dos nossos amigos mais do que faríamos por eles. É comum a gente exigir muito dos outros e dar muito pouco do que temos. Os amigos merecem ser respeitados; têm defeitos, deficiências ou dificuldades. Se temos que expressar alguma crítica que lhes possa ser útil, que a façamos. Se a crítica não tem proveito, ela é inócua e desnecessária. Se queremos fazer alusões a eles, de modo a promover uma crítica construtiva, que façamos na própria presença deles, poupando sempre comentários com outras pessoas, especialmente quando nenhum proveito apresentem. Brincadeiras, de mau gosto, nunca. Existem tantas brincadeiras ou piadas que podem alegrar o ambiente sem ferir ou magoar as pessoas. Finalmente, amigos são como as flores, como as plantas, têm que merecer cultivo permanente. Se você não regá-los permanentemente com as palavras de afeto e de amor serão esquecidos. Finalmente, todos os nossos amigos têm virtudes e defeitos. Vamos, de forma produtiva, contribuirmos para o seu aperfeiçoamento, identificando, com sinceridade e de modo reservado, os seus defeitos. Suas virtudes não: vamos propagá-las publicamente, pois todos gostam de ser tratados com palavras de carinho e amor. Enfim, como diz um amigo meu: quer ter amigos, seja um deles.