Quem é Nossa Senhora Aparecida?

Quem é Nossa Senhora Aparecida?

A pergunta parece ter uma resposta óbvia, mas me parece útil refletir sobre o tema. Certamente, mesmo sendo óbvia para muitos, vê-se, por vezes, interpretações não correspondentes à realidade.

Quem é Nossa Senhora Aparecida? É a Mãe de Jesus, representada por pequena imagem negra, encontrada, há trezentos anos, nas águas do rio Paraíba do Sul, norte Estado de São Paulo. É a Virgem concebida sem o pecado original, pelos méritos não seus, mas de seu divino Filho a quem miraculosamente concebeu por obra do Espírito Santo (cf. Lc 1, 5-25).

Quem é a Senhora Aparecida? É a Mulher prometida no livro do Gênesis, que haveria de nascer e, por força de sua Descendência (Cristo), esmagar a cabeça da serpente infernal. (Cf. Gn 3, 14-15). Se lá nos primórdios a mulher denominada Eva perdeu a graça divina por força do pecado, aqui, na nova e eterna aliança, a Mulher saudada pelo Anjo com o “Ave” é plena da graça, não havendo nela mancha de pecado, pois o Filho que dela nasceria seria chamado Filho do Altíssimo (Cf Lc 1, 5 – 25).

É a Mulher, Mãe do Salvador que na festa de casamento em Caná da Galiléia, intercedeu a Jesus, seu Filho, em favor da família em apuros porque faltara vinho para os convidados. Ele, mesmo não tendo chegado a sua hora, saudando-a misticamente com o vocativo “Mulher”, evocando a narrativa promissora do Gênesis, atende o maternal pedido, transformando seiscentos litros de água em vinho de altíssima qualidade. (cf. Jo 2, 1-12). Como não ver neste primeiro sinal de Cristo, a imagem da transformação do estado de pecado da humanidade em estado da graça salvadora? Como não ver em Maria a participação da mulher no projeto divino da redenção?

Quem é Nossa Senhora Aparecida? É a Mãe do Menino Jesus que nasceu miraculosamente na gruta de Belém, a quem os coros celestiais vieram cantar Glória a Deus nas Alturas e paz na terra aos homens de boa vontade (cf 1, 18-24).

É a Mãe aflita que, na companhia do santo esposo José, encontra o filho de 12 anos que ficara em Jerusalém discutindo com os doutores e que, voltando para Nazaré, era obediente e submisso a seus pais, enquanto ela conserva tudo em seu coração ( Cf. Lc 2, 41-51).

É a Mulher que se encontra no alto do Calvário, no momento da extrema dor de seu Filho que é injustamente condenado e morre na cruz. É socorro materno, é solidariedade inconfundível, é voluntária participante dos sofrimentos humanos, partícipe singular do mistério da salvação (cf. Jo 19, 25-27).

É a Mãe do Redentor que no sacrossanto jogo do amor divino-humano é entregue como mãe ao discípulo amado, realizando o milagre da maternidade universal, pois se torna ela mãe de toda a humanidade. Por ela, os seres humanos, além dos afetos desinteressados das mães terrenas, podem receber amor materno em estado de perfeição só possível a mãe celestial. Misericórdia do Pai!

Quem é Nossa Senhora Aparecida? É a Rainha incomparável do céu e da terra, que à semelhança da Rainha Ester intermedeia a salvação para seu povo ( Cf. Est 5, 1 ss) Formosa filha de Sião, negra e bela da qual nasceram e continuam nascendo misticamente todas as raças, cores e povos.

É a Mulher vestida de Sol, com uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça, tendo a lua debaixo dos pés, conforme narra o livro do Apocalipse (Cf Ap 12, 1-12). Ela representa a Igreja geradora perpétua de Cristo na história, sempre ameaçada pelas forças de dragões infernais poderosos que podem arrastar a terça parte das estrelas do céu, mas não podem vencer o poder divino e acabam derrotados inevitavelmente pela força do Arcanjo Miguel (Quem como Deus!).

Quem é Nossa Senhora Aparecida?

É a única e verdadeira Rainha e Protetora do Brasil que a venera humilde e confiantemente na singela imagem negra que há três séculos vem arrastando as pessoas para Deus, sendo intercessora dos que sofrem e necessitam de graças especiais, mergulhada que está na única mediação de Cristo.

A ela o povo de Deus que peregrina nesta Pátria, caminhando no tempo em busca da eternidade, ofereceu, ao correr da história, um manto sob o qual quer honrá-la e se agasalhar nos momentos de aflição e, pelas mãos da piedosa Princesa Isabel, a primeira mulher a governar o povo brasileiro, ornou-lhe a cabeça com uma linda coroa como gesto de amor incondicional a ela e, através dela, sobretudo a Deus que a criou no-la deu por Mãe bondosa!

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora