Natal: Festa da Paz

Natal: Festa da Paz

Feliz Natal! Faça de seu coração um presépio, o espaço de Deus, singelo, terno e cheio de bondade. Não dê espaço ao ódio, à vingança, à maledicência, à inveja, à hipocrisia, pois estes sentimentos não se encontravam na gruta daquela noite santa. Dê lugar ao bem, à alegria, à harmonia, ao perdão, mesmo que seus opositores não se convertam.
Enfeite o ambiente com ternura, afabilidade, palavras boas, olhar puro, obras de misericórdia, sobretudo para quem mais necessita material ou espiritualmente.

Ilumine a casa de seu coração com a luz da oração, da escuta da Palavra de Deus e da participação viva no ato sagrado onde a Igreja se reúne para celebrar, ou seja, para tornar outra vez presente o fato amoroso de Deus que não conhece limites nem de tempo e nem espaço. Cante com a milenar liturgia: Hodie, Christus Natus és nobis! (Hoje, Cristo nasceu para nós!)

Componha seu lugar interior de bons propósitos, para que o ano vindouro seja melhor, porque você deseja colaborar de sua parte, oferecendo ainda que pouco, mas com a sensação e a certeza de quem oferta tudo o que pode para que o mundo fique mais humano, mais bonito, mais igual para todos. Ornamente o ambiente com as canções de suave encanto próprias deste tempo, com a satisfação e a candura das crianças, com a poesia do abraço e dos desejos sinceros ditos meigamente aos ouvidos, augúrios para este dia e para o ano que vai chegando.

Arme sua árvore, mas não se preocupe em gastar dinheiro com ela, apenas dê um toque da maravilha da natureza cheia de vida e verdes esperanças. Se puder, coloque nela frutos de verdade ou imagens deles como bolas brilhantes e fios prateados, como símbolos de seus esforços de fazer somente o bem no ano que vai terminando. Ela lhe dará o oxigênio para a paz de seus pulmões espirituais feitos para respirar ares puros e benfazejos.

Olhe o presépio e não se esqueça que Natal é festa de família, onde pais recebem o Filho que vem do céu e sabem que tal criatura terá a missão de ensinar o amor. Verifique neste ambiente familiar que o Menino de Belém, ao correr da vida, ensinou tanto a amar que deu a vida por todos os seres humanos, até mesmo pelos seus inimigos.
Alimente esta noite santa com os espaços que você dará a Ele, como a mãe que reserva sempre mais um lugar para o filho em seu regaço, ou o pai que é capaz de trabalhar a vida inteira só para ver seu menino vencer. Família é espaço sagrado. Não pode ser maculado com interpretações equivocadas e nem com ausência de fé.

Dê espaço a Maria e a José, pois eles estavam lá naquelas cercanias da cidade do pão, não por acaso, mas porque o Senhor Deus, poderoso, misericordioso, bondoso já havia tudo previsto, desde o Jardim do Gênesis e a casa real de Davi, seu servo.

Olhe para o ventre de Maria, como nova Arca da Aliança, onde não se encontram mais apenas duas tábuas de pedra com mandamentos e mais alguns objetos santos, mas que traz o próprio Filho de Deus como Salvador da humanidade.

Não tire os olhos de José, pois aprendemos que para transformar uma casa de animais em Casa de Deus, é preciso ser homem justo e temente ao Senhor do Universo. Não feche seus ouvidos interiores ao canto dos anjos, pois somente os que pastoreiam com simplicidade de coração e não estão escravizados pelos bens materiais podem ouvi-lo.

Deixe a porta aberta para os Magos do Oriente que vêm com seus camelos e dromedários para adorar o recém nascido, trazendo seus presentes de ouro, incenso e mirra, reconhecendo nele o rei dourado, o Deus de suave perfume e o homem capaz de sofrer e até morrer para que o amor não faleça nos corações humanos.

Dê, neste Natal, espaço à paz de uma noite feliz, de um Deus de amor, pobrezinho nascido em Belém!

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro