Atrizes transexuais são protagonistas de longa premiado e gravado com celular

Atrizes transexuais são protagonistas de longa premiado e gravado com celular

Duas atrizes transexuais são amigas e profissionais do sexo no longa-metragem norte-americano “Tangerina”, que foi gravado com apenas três celulares da marca iPhones 5S. A produção será exibida nesta quinta-feira, 17, às 19h, na videoteca do Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM – Avenida Getúlio Vargas, 200, Centro). A entrada é gratuita, e a iniciativa é do projeto Cineclube “Bordel sem Paredes”, com apoio da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), por meio da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa).
O filme é uma comédia dramática que conta a história de “Sin-Dee Rella”, que terminou recentemente uma pena de prisão de 28 dias e, então, decide ir ao encontro de sua amiga “Alexandra”, em uma loja de rosquinhas, na noite de Natal. “Alexandra”, acidentalmente, revela à amiga que o namorado e cafetão dela a traiu. A partir daí, “Sin-Dee” sai pelas ruas de Los Angeles, à procura do homem que destruiu seu coração.
A qualidade visual do longa mostra como é possível explorar ângulos e planos de maneiras variadas, sem a necessidade de câmeras de alto padrão. Em outubro de 2015, o jornalista Luiz Carlos Merten publicou um artigo em seu blog intitulado “Uma Geleia Geral a Partir do Cinema”, dizendo que a produção “permite a Sean Baker [o diretor] e suas atrizes viajarem nas muitas subculturas de Los Angeles”.
“Tangerina” fez sua estreia mundial em janeiro de 2015, no Sundance Film Festival. Exibido em outubro no Festival do Rio 2015, o longa foi um dos 11 vencedores do “Prêmio Felix” e recebeu o troféu de “Melhor Longa de Ficção”. Colecionando participações em eventos do mundo cinematográfico, destacou-se nos festivais de Londres 2015 e no Internacional de Palm Springs.

 

Fonte: Assessoria