Obra retrata a trajetória da defesa do patrimônio histórico em JF

Obra retrata a trajetória da defesa do patrimônio histórico em JF

A dissertação de mestrado “Narrativas preservacionistas na cidade: a trajetória de defesa do patrimônio histórico de Juiz de Fora através de manifestações populares na década de 1980”, da escritora Fabiana Aparecida de Almeida, transformou-se em livro documental de mesmo nome. A publicação será lançada hoje, 16, às 19h, na Galeria Arlindo Daibert do Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM – Avenida Getúlio Vargas, 200, Centro). A entrada é franca.
Financiada pela Lei Murilo Mendes de Incentivo à Cultura, mantida pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), por meio da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa), a obra é uma análise dos movimentos populares para a preservação do patrimônio histórico e cultural da cidade na década de 1980 – período no qual as manifestações foram mais intensas, acompanhando o processo de abertura política e social no Brasil, no final da Ditadura Militar.
A partir dos conceitos de “memória”, “lugar de memória”, “esquecimento coletivo” e “amnésia social”, a autora relata os movimentos que não resultaram nas preservações almejadas – casos do Colégio Stella Matutina, da sua capela e da Casa do Bispo – e aqueles bem-sucedidos: edificação da antiga Companhia Têxtil Bernardo Mascarenhas (hoje CCBM) e Cine-Theatro Central. “Procurei perceber também a razão pela qual esses imóveis em especial despertaram nas pessoas sentimentos que as fizeram lutar por sua preservação. No trabalho, fiz ainda um retrospecto das ações preservacionistas na cidade, relacionando-as com as mudanças ocorridas no cenário nacional”, acrescentou Fabiana, que é natural de Juiz de Fora, mestre em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora e, atualmente, cursa doutorado em História na mesma instituição.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro