Obra retrata a trajetória da defesa do patrimônio histórico em JF

Obra retrata a trajetória da defesa do patrimônio histórico em JF

A dissertação de mestrado “Narrativas preservacionistas na cidade: a trajetória de defesa do patrimônio histórico de Juiz de Fora através de manifestações populares na década de 1980”, da escritora Fabiana Aparecida de Almeida, transformou-se em livro documental de mesmo nome. A publicação será lançada hoje, 16, às 19h, na Galeria Arlindo Daibert do Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM – Avenida Getúlio Vargas, 200, Centro). A entrada é franca.
Financiada pela Lei Murilo Mendes de Incentivo à Cultura, mantida pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), por meio da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa), a obra é uma análise dos movimentos populares para a preservação do patrimônio histórico e cultural da cidade na década de 1980 – período no qual as manifestações foram mais intensas, acompanhando o processo de abertura política e social no Brasil, no final da Ditadura Militar.
A partir dos conceitos de “memória”, “lugar de memória”, “esquecimento coletivo” e “amnésia social”, a autora relata os movimentos que não resultaram nas preservações almejadas – casos do Colégio Stella Matutina, da sua capela e da Casa do Bispo – e aqueles bem-sucedidos: edificação da antiga Companhia Têxtil Bernardo Mascarenhas (hoje CCBM) e Cine-Theatro Central. “Procurei perceber também a razão pela qual esses imóveis em especial despertaram nas pessoas sentimentos que as fizeram lutar por sua preservação. No trabalho, fiz ainda um retrospecto das ações preservacionistas na cidade, relacionando-as com as mudanças ocorridas no cenário nacional”, acrescentou Fabiana, que é natural de Juiz de Fora, mestre em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora e, atualmente, cursa doutorado em História na mesma instituição.