O político e a revolução do voto

O político e a revolução do voto

Foram poucas as épocas em que a figura do político brasileiro esteve tão desgastada. Os malfeitos já apurados e em apuração têm servido para estabelecer a má imagem da classe que, infelizmente, pouco ou nada tem feito para contradizer aqueles que a massacram.

A atual democracia brasileira, cantada em prosa e verso nas suas três décadas de existência, está doente. Seus operadores não souberam operá-la com responsabilidade e de forma a fortalecê-la. Equivocadamente, para se dizerem democratas e diferentes dos antecessores que classificavam como ditadores, cultivaram uma república de direitos sem obrigações correspondentes e se esqueceram que a vida - tanto das pessoas quanto de um país - tem tudo a ver com a aritmética e, para dar certo, a conta tem de fechar.

A corrupção, o enriquecimento ilícito e todo o sentimento negativo que hoje assolam o país são resultados do pouco apreço à retidão e à cultura de cada coisa em seu devido lugar. Os políticos - principais agentes do tempo democrático - pouco se importaram em custear suas campanhas com o dinheiro recebido da corrupção, do crime ou de qualquer outra fonte que os pudessem manter de rabo preso. O resultado não poderia ser diferente daquele que hoje vemos nas páginas dos jornais, no rádio e na televisão e nas páginas das redes sociais.

Tudo isso é muito ruim, pois coloca o país na condição de barco à deriva e com desigualdade cada dia maior.

É preciso fazer algo para resgatar a imagem do político brasileiro. A sociedade carece do seu trabalho franco e consciente e sem ele não pode sobreviver.

Mas o próprio político tem de se respeitar e entender em primeiro lugar que política não é profissão, mas a forma do cidadão participar da construção de uma sociedade melhor. É necessário dizer isso ao povo e lembrar que na medida em que abominamos a política, abrimos chance para que os demais decidam pela gente e o façam de acordo com os seus interesses, não os nossos.

Nestes dias, assistimos a movimentação do presidente, objetivando conquistar os votos necessários para não ser afastado do poder. Fala-se em liberação de muito dinheiro para os deputados votantes e de outras benesses.

Independente do resultado da votação, a classe política sairá manchada e mais desprestigiada ainda. Temos de lutar para que episódios como este não se repitam. É preciso acabar com a cultura do poder a qualquer preço e até em troca da dignidade.

O brasileiro precisa se conscientizar de que sua oportunidade de mudar as coisas só acontece a cada quatro anos, nas eleições onde se renovam os cargos de presidente, senador, deputado, governador, prefeito e até de vereador. Se aquele em que você votou nas eleições passadas não foi bem, procure outro que possa fazer melhor.

Importante destacar que, para ser duradoura, a solução tem de vir das urnas. A única revolução que devemos admitir é a do voto consciente. Jamais as lágrimas e o ranger de dentes da intervenção militar ou do apoio bélico das Forças Armadas.


 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves, dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro