O CEMITÉRIO DA MATRIZ

O CEMITÉRIO DA MATRIZ

Nossa cidade possui alguns cemitérios na área urbana - próximo ao centro, nos bairros mais à periferia e em comunidades da zona rural. Durante muito tempo, no início da ocupação de nosso território, era hábito o sepultamento de pessoas do clero e outras afortunadas - grandes contribuintes das causas religiosas - no interior dos templos e em suas imediações. A posição social do morto era um grande indicativo pra ingressar o defunto no entorno da capela que frequentava. O mesmo acontecia em muitas cidades espalhadas por todo o Brasil.


Existem, em templos católicos de Juiz de Fora, várias situações de religiosos ali dentro sepultados.

cemiterio.jpg


Havia um cemitério - não se sabe onde - no antigo Morro da Boiada que é, hoje, a região ocupada pelo bairro Santo Antônio. Por lá passava o Caminho Novo da Estrada Real. O lugar foi o berço das primeiras moradias da futura cidade. Também existia ali uma capela dedicada a Santo Antônio de Lisboa e muitos casebres e vendas espalhados pelos morros. As construções mais próximas eram a casa principal da fazenda do Juiz de Fora (demolida na segunda metade dos anos 40, ela ficava exatamente onde existe hoje a Boate Sayonara, nos Santos Anjos) e a casa do alcaide-mor (o ainda existente sobrado da Fazenda da Tapera, perto do Cemitério Parque da Saudade, em Santa Terezinha).


Com a construção da Estrada Nova (ou Estrada do Paraibuna), pelo engenheiro alemão Henrique Halfeld, abrindo a atual Avenida Rio Branco (antiga Rua Direita ou Rua Principal) em direção ao Alto dos Passos e Graminha, a velha capela da Boiada foi transferida com a imagem do santo padroeiro para o cume de uma elevação na nova via. Surgia ali, em 1847, a Capela de Santo Antônio de Juiz de Fora. Junto a ela havia um cemitério e muitos habitantes da vila foram nele enterrados.


O vigário local era o Padre Tiago Mendes Ribeiro. Coube a ele a construção da nova Igreja matriz que deu origem à atual Catedral Metropolitana, na quadra cercada pela Avenida Rio Branco, Rua Santo Antônio, Rua Fernando Lobo e Rua Espírito Santo, inaugurada em 1866.


Em 1855, surgiu um movimento na Câmara Municipal visando transferir o cemitério da Matriz para as margens da Estrada União e Indústria. Os vereadores de então lutaram muito contra a teimosia do Padre Tiago, resistente ao fim dos enterros ao lado da capela. Os legisladores pediam que se cessassem os enterramentos no lugar e ameaçavam queixar-se ao bispo de Mariana. Uma epidemia de cólera atingia o Rio de Janeiro e se avizinhava de nossa cidade. Médicos, farmacêuticos e políticos locais julgavam ser inadiável a providência de se fazer um campo santo longe do centro urbano. Uma grande campanha fizeram e muitos subscreveram com generosas contribuições financeiras. O terreno foi comprado e, em 1864, era inaugurado o Cemitério Nossa Senhora Aparecida, o conhecido “cemitério municipal”.


Quando o engenheiro Gustavo Dodt, em 1860, elaborou a primeira planta da cidade com as ruas e quadras do centro, ele havia previsto que o cemitério ficaria no início da Rua Santo Antônio, nas proximidades da atual Rua Benjamin Constant. Sua intenção não foi sequer adiante. Ficou tão somente no projeto e o lugar dos mortos seguiu mesmo para o Poço Rico.


Portanto, até então, os sepultamentos se davam nas imediações da atual Catedral Metropolitana.


Nas imagens, vemos dois momentos da Matriz de Santo Antônio.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro