Dor nas costas

Dor nas costas

Wallace acordou com uma forte dor nas costas, quase não conseguiu levantar da cama. A dor era tanta que ele tomou banho sem conseguir esfregar o corpo, cada mexida na cintura era um grito de dor.

Sua esposa Carmem pegou o carro para leva-lo ao Hospital exclusivo de seu plano de saúde. Ele não ia conseguir dirigir e achou melhor mesmo ir no banco do carona para esticar as pernas.

Mesmo com todo cuidado ao volante, ela não conseguiu evitar alguns buracos que estavam morando no meio do asfalto. Cada vez que o carro passava nas valas Wallace quase desmaiava de dor. Os quebra-molas eram um pesadelo para ele. Carmem passou quase parando o carro, mas não tinha como evitar o balanço.

No meio do caminho eles ainda tinham que atravessar a linha férrea. Pegaram o trem passando e demoraram mais para chegar ao hospital. A passagem de nível também foi um obstáculo que fez a dor ficar mais latente.

Wallace se arrependeu de cada vez que sentou de mau jeito a frente do computador e das vezes que pegou peso sem orientação na academia. Estava sofrendo pela falta de um travesseiro adequado e de um colchão novo, que sua esposa tanto pedia para ele comprar.

Ao chegar ao hospital ele precisou de ajuda para sair do carro, só a Carmem não conseguiu levantá-lo da poltrona. Um enfermeiro o ajudou na sua locomoção colocando-o em uma cadeira de rodas. Como a emergência estava praticamente vazia ele foi atendido de imediato pelo ortopedista de plantão. O Médico pediu uma radiografia da coluna.

O diagnóstico foi muito ruim. Wallace terá que fazer fisioterapia e ficará sem trabalhar por pelo menos dois meses. Terá que trocar o colchão e o travesseiro. Nada de ver televisão deitado. Para ficar no computador terá que usar um colete que acertará sua postura.

Tem também uma orientação muito importante, não sair de casa, evitar as ruas cheias de buraco.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro