Peregrinação, um itinerário para Deus

Peregrinação, um itinerário para Deus

Peregrinar é um ato revestido de sacralidade. Não é somente um caminhar, ou uma simples viagem; muito menos uma movimentação turística. O termo ‘turismo religioso’ não é utilizado no meio eclesial, outrossim soa muito estranho a ouvidos de ministros sagrados e fiéis devotos.


Quanto à origem etimológica, o termo provém do latim per agros, que significa pelos campos. Peregrinar é o mesmo que fazer romaria, termo este proveniente da palavra Roma, ponto de chegada de tantos que procuram visitar, com devoção, os monumentos bíblicos, sobretudo à procura do túmulo do Apóstolo Pedro.


O costume de peregrinar a lugares santos é antiquíssimo e está presente, praticamente, em todas as religiões. Os hebreus costumavam sair em peregrinação e, ao menos pela Páscoa, depois que se tornaram autóctones, iam todos os anos a Jerusalém. Deste costume participaram Maria e José, como relata São Lucas em seu evangelho: "Todos os anos, os pais de Jesus iam a Jerusalém para a festa da Páscoa"(Lc 2, 41). Também Cristo, deste ato de profunda significação religiosa, participou e o valorizou. Segundo os relatos evangélicos, sobretudo na literatura joanina, a vida pública de Jesus se resume em três grandes peregrinações que se iniciam na Galileia até concluírem-se em Jerusalém, onde entrega sua vida ao Pai, no sacrifício da cruz, e ressuscita vitorioso ao terceiro dia.


A experiência mística de Jesus de Nazaré é a base e a iluminação de todas as peregrinações cristãs. Desde o século IV, se multiplicam as peregrinações cristãs, após as experiências de Eretrérea, que organizou viagens religiosas para a Terra Santa, após a Paz Constantiniana que deu liberdade aos cristãos de praticarem livremente sua fé (religio licita). Possivelmente fosse parente do Imperador Teodósio.


As peregrinações, ou romarias, podem ser feitas individualmente, porém, quase sempre são feitas em grupos que se reúnem, se preparam, se põem a caminho quais peregrinos do céu, em busca de conversão, de louvor e de satisfação.


Para se fazer uma boa peregrinação, alguns cuidados são importantes, como preparar-se espiritualmente pela oração, pela confissão sacramental e pela participação efetiva e afetiva na Eucaristia, alimento para quem caminha.


No Ano Mariano brasileiro, que pretende celebrar os jubileus de Aparecida, no tricentenário do encontro da santa imagem, e no centenário das aparições de Fátima, muitas dioceses, paróquias e grupos têm sido as peregrinações a igrejas dedicadas à Mãe do Senhor. Além dos espaços dedicados a Maria no território nacional, muitos tem ido aos santuários marianos europeus, para celebrar, agradecer, meditar, pedir graças, afinal, celebrar com intensidade de alma os mistérios de Deus acontecidos na vida daquela que foi escolhida pelo Pai para ser Mãe de Deus Filho, por obra do Espírito Santo.


Também a Arquidiocese de Juiz de Fora quis participar desta movimentação eclesial, no simbolismo forte do que significa deslocar-se, às vezes com sacrifício, para buscar, também desta maneira, forças e bênçãos no itinerário para Deus. Neste mês de setembro, quando os ipês têm sido extraordinariamente magnânimos na ornamentação da natureza, enchendo de beleza ímpar os olhos e emocionado os corações, 45 fieis, entre os quais cinco sacerdotes, partem em romaria, para visitar sete santuários do velho mundo de onde recebemos o dom precioso da fé.


Iniciando em Fátima, passarão às catedrais nova e velha de Salamanca, onde se venera Nossa Senhora da Penha. No território francês, visitam Lourdes, recordando as aparições Nossa Senhora a Santa Bernadete de Soubirous, em 1858, orando na imensa esplanada, local em que se pode escutar o silêncio como eloquente voz de Deus.


A viagem a Lisieux dará oportunidade aos romeiros de Maria experimentarem a mística da “Pequena Via” de Santa Terezinha do Menino Jesus, monja de Nossa Senhora do Carmo, que viveu entre os anos de 1873 a 1897, jovem toda de Deus, que deixou ao mundo o modelo de vida santa e de ardor apostólico, tornando-se Padroeira das Missões.


Em Paris, as celebrações na capela da Medalha Milagrosa darão aos peregrinos a oportunidade de recordar a proteção de Maria como intercessora de todas as graças, a partir das experiências místicas de Santa Catarina de Labouré, no ano de 1830. O Santuário se localiza na Rue du Bac, onde se encontra o corpo incorrupto da Santa e também o coração de São Vicente de Paulo, Pai dos Pobres, fundador da Congregação das Filhas da Caridade, à qual pertenceu a mencionada santa. Na Rue de Sèvres, próxima ao local, outro santuário poderá ser visitado, para venerar o corpo de São Vicente de Paulo.


Chegando ao destino final, o grupo rezará em Roma, a capital espiritual do mundo cristão, onde visitará a Praça de São Pedro e receberá a bênção de Papa Francisco na audiência geral, celebrará no interior da Basílica, e partirá para três outras basílicas romanas, com destaque para a de Santa Maria Maior, a mais antiga igreja dedicada a Mãe de Jesus, no ocidente.


Nos caminhos de Maria se encontra Deus, pois ela é que se tornou, pelo sacrossanto designo do Pai, a estrada e a porta pela qual passou o Salvador do mundo a fim de chegar até nós.


O povo fiel de Juiz de Fora, entre tantas atividades oracionais e pastorais que vem ocorrendo no Ano Mariano, celebra-o também através de seus peregrinos, suplicando a Maria, sua continua intercessão para que, nos caminhos desta vida, seja perseverante na fé, espalhando, por onde andar, os sinais de Cristo até chegarmos a Deus, pois peregrinar é ir para Ele, nosso destino final.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro