O FIM DE UMA ERA

O FIM DE UMA ERA

De tempos em tempos ouvimos falar que o mundo vai acabar… e para nós que estamos vivos, percebemos que apesar de convalescente ele ainda não acabou. Aliás, para esse fim de ano, além de não haver nenhum augúrio apocalíptico, o contrário está para acontecer: estamos diante de uma conjunção raríssima que conspira para que o Ano Novo seja o melhor de todos os tempos.

É uma condição mágica do calendário gregoriano. Veja bem: qual o melhor dia da semana para começarmos uma promessa, uma nova dieta, ou cortar algum vício? Segunda-feira, não é verdade?! E qual o melhor dia do ano, dentre os 365, para iniciarmos nossas promessas de mudanças de vida e de hábitos? Dia 1º de janeiro, certo? Agora pegue sua folhinha e assombre-se: reparou que o dia 1º de janeiro cairá em uma segunda-feira?! Ou seja, os astros estão conspirando para sua vida mudar para melhor…

Mas aí entra uma grande questão: há como mudar de vida sem deixar para trás a vida antiga? Podemos mudar se mantivermos os mesmos hábitos, conceitos e preconceitos?

Ou seria como a música Drão do Gilberto Gil:
“Tem que morrer pra germinar...
Plantar nalgum lugar...
Ressuscitar no chão”

A vida nova não surge grande e resplandecente de uma hora para outra, mas, como qualquer criança, primeiro é um projeto, depois um grão, depois há uma dura caminhada pela noite escura até germinar… e ainda há muita energia e cuidado a ser despendido até que se chegue ao apogeu.

Talvez aí um erro que temos ao fazer nossos projetos de fim de ano (ou de segundas-feiras): achamos que basta desejar que a coisa aconteça, no momento da virada, como um passe de mágica.

Ao longo desse ano, dando aula de história do Renascimento para a Arquitetura, aprendi o contrário: Houve um período clássico (greco-romano) que morreu e deu lugar à Idade Média, que por sua vez também acabou e deu espaço para o Renascimento, que deu espaço para o Barroco, que também precisou morrer para surgir o Neo-Clássico.

Observando a história percebi que todos os estilos morreram, mas deixaram algum legado para o período posterior, e renasceu aperfeiçoados, outro ciclo adiante. Assim também acontece com a semente, que muitas vezes precisa esperar a árvore matriz morrer para germinar, trazendo em si informações da matriarca.

O novo, na verdade, só dará certo, se for planejado enquanto o antigo ainda existe. Planejar o novo ano, com a experiência adquirida do passado. É como Janus, uma divindade da mitologia romana, que tem duas faces na mesma cabeça, uma velha (olhando para o passado) e uma nova (olhando para frente)... Dele vem o nome Janeiro.

Esse artigo é sobre o fim dos tempos (antigos), para o começo de um novo tempo. É uma saudação a essa nossa natureza de poder renascer sempre… e sabermos morrer para isso.

Esse artigo é, também, uma celebração ao encerramento da versão impressa do Diário Regional. Isso mesmo: esse impresso que você conhece não existirá mais em 2018, e tenho a honra de participar do fim desse ciclo… Fim para um novo começo que vem por aí: mais moderno, democrático, acessível, digital, muito melhor!

Bom renascimento a todos neste novo ano que se inicia!

04 periodos classicos

tao

03 as quatro estações

05 decoracao vintage

06.1 geladeira smart

06.2 geladeira retro

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro