Moradores do bairro Mundo Novo denunciam possíveis focos de dengue

Moradores do bairro Mundo Novo denunciam possíveis focos de dengue

Os moradores da Rua Acre e da Rua Barão de São Marcelino, ambas localizadas no bairro Mundo Novo, zona Sul, estão preocupados com possíveis focos de dengue na região. Um terreno sem limpeza, no primeiro endereço, e uma casa abandonada podem ser possíveis locais para proliferação do mosquito Aedes aegypti.
Segundo Paulo Araújo, síndico de um prédio localizado ao lado de um terreno particular abandonado no bairro, o terreno está com mato há algum tempo. “O terreno está sem limpeza há muito tempo e o mato vai crescendo. Com as chuvas, o mato pesa e acaba deitando, mas depois cresce com mais facilidade. O mato está muito alto, e além disso tem uma bacia jogada no meio da área, e embora ela esteja virada de boca para baixo, tem uma borda que pode acumular água”.
O síndico conta que já tentou denunciar a situação, mas não conseguiu solicitar a fiscalização para que notificasse os proprietários do local. A falta de colaboração e conscientização da população, no entanto, também incomodam. “Exista uma certa indiferença por parte da população de alguns pontos do bairro. Falta pensamento coletivo e a ideia de que uma ação pode prejudicar todos. Além do mato alto, tem muito lixo que o pessoal joga por cima do muro, e qualquer lugar hoje em dia é criadouro do mosquito Aedes aegypti”, lamenta.
Para Leonardo Lopes Vergara, presidente da Associação de Moradores do Mundo Novo, uma casa abandonada na Rua Barão de São Marcelino também pode ter focos de mosquito da dengue. “Essa casa está abandonada há cerca de quatro anos. O que nos preocupa é que o telhado é composto de telha de amianto, tem umas telhas quebradas e pode ser que tenha água acumulada, além de uma caixa d’água sem tampa”.
Segundo Vergara, o lixo no terreno em frente à casa também está crescendo, pois muitas pessoas passam pelo local e jogam o material por cima do muro. “No quintal tem latas, copos de iogurte, vidros de detergente e um resto de mato cortado há pouco tempo e que foi descartado lá. Tudo isso pode acumular água”, relata. Ele completa afirmando que acredita faltar conscientização por parte da população. “O Mundo Novo, por ser um bairro que é caminho para outros lugares importantes, acaba sofrendo com o pessoal jogando lixo”.
A equipe do Diário Regional entrou em contato com a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) para solicitar posicionamento acerca das denúncias. A Secretaria de Atividades Urbanas informou que não recebeu nenhuma denúncia sobre as duas reclamações, mas que “a fiscalização irá aos locais ainda esta semana para identificar os responsáveis e verificar as ações que precisam ser adotadas nos dois locais”.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro