Cidade - Centro 1

PJF confirma segundo caso de zika em gestante em menos de uma semana

PJF confirma segundo caso de zika em gestante em menos de uma semana

Uma mulher de 33 anos, com 14 semanas de gestação, moradora da zona Leste, é a segunda gestante a ter a contaminação por Zika vírus confirmada em menos de uma semana. Nesse caso, ao contrário do primeiro, a contaminação aconteceu em Juiz de Fora. A informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde (SS) municipal na tarde dessa quarta-feira, 3. Ainda de acordo com a pasta, ela está sendo acompanhada e passa bem. Além deste novo caso, foi atualizado o número de pessoas infectadas com doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.
Outra notícia que repercutiu no noticiário internacional foi utilizada como alerta pela PJF: no Texas, Estados Unidos, um caso de transmissão de Zika por meio de relação sexual foi divulgado. Ainda que nenhuma confirmação ou resposta definitiva tenha sido divulgada, há a preocupação com a prevenção, principalmente em função do Carnaval.
“A campanha de distribuição de preservativos e de folders informativos sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) seguirá normalmente, como nos Carnavais dos anos anteriores. No entanto, não conseguiremos incluir este alerta no material informativo e publicitário. Como há a possibilidade da transmissão também do vírus da Zika, pedimos que as pessoas redobrem a atenção na prevenção”, explicou o prefeito Bruno Siqueira.
Outro ponto destacado por ele foi o fato de que, nos relatórios que identificam as doenças para entrada no sistema de saúde, haverá não somente a indicação de que seriam casos prováveis de dengue – como era feito até agora –, mas pode se considerar que sejam também Zika ou chikungunya.
“A maioria dos focos continua dentro das residências das pessoas. Precisamos do apoio da população nessa força tarefa no combate ao Aedes aegypti” reiterou Siqueira. O novo secretário de Saúde, Alex Ribeiro, confirmou o início das operações no primeiro Centro de Hidratação para o próximo dia 15. Ele afirmou também que o primeiro centro, dos dois previstos, será localizado na região central.
Ainda segundo ele, uma cartilha com as informações sobre o fluxo que deverá ser adotado e sobre quem deve se dirigir ao local ainda será divulgada. “Há algumas orientações que ainda estão sendo avaliadas, e o endereço do Centro de Hidratação será divulgado em breve”, explica Ribeiro.
Além dos anúncios, o secretário também confirmou que mais quatro linhas telefônicas serão disponibilizadas para o Disque Dengue. Segundo ele, o serviço reunia reclamações de números ocupados e muitas pessoas não conseguiam realizar suas denúncias.
O atendimento das denúncias provenientes do serviço é feito conforme os critérios de prioridade estabelecidos pelo Comitê de Combate à Dengue. Pontos estratégicos, como os acumuladores de lixo potencialmente em logradouros que possam se tornar criadores de mosquitos, serão os primeiros a serem atendidos. Para denunciar, basta ligar no telefone 3690-7290.
O prefeito também destacou que o processo que vai contratar mais 50 agentes de endemias para reforçar as equipes está em fase de finalização e que, em breve, eles devem estar nas ruas da cidade ajudando a combater o mosquito.

Gestante com Zika


A evolução do segundo caso, acompanhado por uma médica ginecologista que preferiu não se identificar para não comprometer a identidade da paciente, iniciou sem a apresentação de todos os sintomas. "Ela só apresentou o exantema, (erupções avermelhadas pelo corpo), mais nenhum outro. Ela não teve febre, fez os exames quando apareceu com as manchas vermelhas na Santa Casa e não tinha nenhum quadro de infecção viral. Então o diagnóstico dela foi muito mais difícil do que estávamos imaginando", comenta.
A médica continuará acompanhando essa gravidez. "Foi uma gestação planejada, ela foi orientada a esse respeito, mas até então não tinha nenhum caso confirmado em Minas Gerais ou em Juiz de Fora. Ela agora está de quatro meses, e quando apresentou os sintomas estava com 14 semanas e três dias. Ela vai fazer os exames morfológicos e vamos acompanhar o andamento do bebê com as ultrassonografias. Como ela não teve Zika vírus no início, já tinham se passado os três primeiros meses, quando é mais grave, então agora vamos acompanhar. Ela vai retomar os exames na 18ª semana", detalha.
A médica aconselha que as mulheres grávidas que notarem algum dos sintomas devem procurar imediatamente a assistência médica. "A Vigilância Epidemiológica está fazendo a sorologia, que não é liberada por convênio, e o SUS só faz por meio da Vigilância. Em caso de suspeita, o médico deve entrar em contato com o órgão e solicitar a colheita do material para exame de sangue e verificação se é dengue. Se for negativo para dengue, eles encaminham o sangue anterior para ver se é Zika ou não", explica.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro