Cerca de 15% das ligações para PM e Corpo de Bombeiros são trotes

Cerca de 15% das ligações para PM e Corpo de Bombeiros são trotes

Os números de emergência 190 e 193, da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros, são canais importantes para a comunicação entre a população e órgãos de segurança pública. Eles, no entanto, nem sempre são utilizados com o objetivo de pedir ajuda ou denunciar um crime. A falta de consciência por parte da população prejudica não só o trabalho daqueles que prezam pela segurança da população, mas pode obstruir um resgate.
Segundo a Polícia Militar, cerca de 12% a 15% das ligações mensais atendidas pela central de operações da PM são trotes. Apenas em setembro, a instituição recebeu 63 mil ligações pelo 190, e, segundo os dados, cerca de 945 estariam relacionadas a trotes. Conforme o major Marcellus Machado, assessor de comunicação da 4ª Região de PM, os trotes aumentam durante o período de férias escolares, visto que a maioria das ligações falsas recebidas pelos policiais são realizadas por crianças.
“Temos a convicção de que as crianças são as principais responsáveis por passar esses trotes. Nos meses de férias, o número tende a aumentar graças à ociosidade das crianças e pela falta de supervisão de adultos para coibir esse tipo de ação”, comenta.
O major explica que é possível verificar o número de telefone de origem das ligações, podendo resultar em uma punição para adultos responsáveis pela falsa informação. No entanto, a PM acaba preferindo não fazer a abordagem para não ocupar um efetivo que poderia atender a uma emergência, mesmo motivo pelo qual as falsas ligações prejudicam o trabalho da PM.

01 Jéssica

“Essas ligações interferem de forma muito negativa, porque uma vez que o canal está ocupado com o trote, deixamos de atender uma ligação de uma pessoa que realmente necessita da PM. Nossa orientação é que os pais e responsáveis que têm uma forma de supervisionar instruam as crianças e evitem ocupar o 190, pois é um mecanismo que está à disposição do cidadão”. 

O número de ligações falsas para o 193, número de emergência do Corpo de Bombeiros, também é preocupante. A média é de 30 trotes por dia, chegando a 900 por mês, em cerca de 9 mil ligações mensais, representando 10% do total de ligações. Segundo o tenente George André Sant’ana, as crianças também são as principais responsáveis pelas ligações falsas recebidas pela Central de Operações do 4º Batalhão de Corpo de Bombeiros de Juiz de Fora.
“Quando a criança liga e fala brincando, xinga o atendente ou não fala nada, é mais fácil de detectar e não causa um prejuízo tão grande, pois não chegamos a deslocar viatura. Aquele trote que a gente chega a deslocar até o local e não constata nada, no entanto, acontece em menor número, recebemos cerca de uma ou duas ligações assim, mas é mais nocivo. O período de maior incidência dos trotes é no horário de entrada e saída de colégios, e observamos uma diminuição no período de férias escolares”.
Ainda segundo o tenente, o principal problema desse tipo de ligação é a possibilidade de deixar de atender uma pessoa que realmente necessita de atendimento. “O mais grave é o trote que não se consegue detectar que é um trote. Deslocamos um efetivo e constatamos que não é uma ocorrência real. Neste caso, pode ser que deixemos de atender alguém. O Código Penal Brasileiro trata a ligação falsa para um canal de segurança pública como crime, segundo o artigo 266. Para quem for pego passando trote para órgãos públicos, existe pena de um a três anos de detenção, além de multa”.
O major Marcellus Machado finaliza fazendo um apelo à população. “Reafirmamos o compromisso de trazer para a comunidade um serviço de bom atendimento, e o 190 é a porta de entrada para isso. Quando temos a linha ocupada, não conseguimos atender aqueles que realmente necessitam da ligação. Pedimos às pessoas que têm o poder de conscientizar e monitorar o outro a não reforçar o trote para a PM e para o Corpo de Bombeiros, pois pode trazer malefício para as pessoas que realmente necessitam”.

Logotipo do Grupo DMI    Logotipo da Agência Formigueiro