Abraão Ribeiro fala sobre contato direto com demandas da população

Abraão Ribeiro fala sobre contato direto com demandas da população

Ouvir e atender às demandas de milhares de cidadãos juiz-foranos diariamente é o trabalho da Secretaria de Desenvolvimento Social (SDS) da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF). À frente da pasta desde fevereiro de 2016, Abraão Ribeiro destaca que o principal desafio da SDS é prestar serviços de qualidade em todas as iniciativas oferecidas pelo órgão.


“Temos muitos equipamentos públicos sob a nossa responsabilidade. Encaramos o desafio de fazer um atendimento com qualidade em todas essas necessidades e demandas, em todas as frentes, seja no cuidado com idosos, crianças, adolescentes, pessoas em situação de rua, entre outros’, pontua o secretário.


Ele explica que a porta de entrada para o atendimento é o Centro de Referência em Assistência Social (Crás). “Hoje temos unidades que atendem em todos os territórios da cidade. Ao todo, são nove, mas devemos inaugurar mais duas em breve: o Cras Barbosa Lage e o Cras Santa Cruz, ambos na zona Norte. Eles vão dividir o território com o Cras Norte, em Benfica, e dessa forma chegaremos a 11 Cras”, adianta.


Nos centros, qualquer cidadão pode fazer inscrição para vaga em creches, para o Bolsa Família e para o recebimento do Auxílio Moradia e de cesta básica. Também é possível solicitar atendimento psicológico ou de assistência social. Esse, segundo Ribeiro, é o principal meio da população levar as necessidades para conhecimento do poder público.
O segundo nível de atendimento é por meio dos Centros de Referência Especiais em Assistência Social (Creas) em três unidades na cidade, que recebem demandas quando elas estão associadas a algum tipo de problema já estabelecido. “Isso acontece em situações onde há desrespeito de direito de idosos, crianças e adolescentes, como algum serviço que deveria ser oferecido, mas que por algum motivo não é. Tudo isso é encaminhado ao Crea, onde as pessoas recebem um atendimento especializado, seja de média ou alta complexidade”, acrescenta.


Há também, segundo Ribeiro, uma série de convênios da PJF com instituições do terceiro setor. “O principal deles é feito pela Associação Municipal de Apoio Comunitário (Amac), mas também temos vínculos com instituições que atendem a idosos, como o Abrigo Santa Helena. Além dessas temos convênios com outras 28 instituições da cidade. Todos os serviços de convivência e fortalecimento de vínculos e os Conselhos Tutelares também fazem parte das nossas atribuições”, considera.


Os equipamentos que coordenam o acolhimento de pessoas em situação de rua, o Centro Pop, a Casa da Cidadania, a Casa de Passagem para Mulheres e o Núcleo Cidadão de Rua também são geridos pela SDS. Inclusive, em dezembro de 2016, a Secretaria finalizou o diagnóstico sobre a População de Rua, que vai ser empregado na ampliação e revisão das políticas públicas voltadas para esses cidadãos. O documento detalha o perfil das pessoas em situação de rua, e mostra em uma série de eixos fundamentais nos quais essas pessoas apresentam vulnerabilidade.


Abraão esclarece que a SDS tem um trabalho integrado com todas as outras secretarias do município, principalmente com as pastas de Educação e Saúde. “Também recebemos as pessoas no prédio na Rua Halfeld, 450, no 4º, 5º e 6º andar. Se as pessoas não conseguirem atendimento ou no Cras ou em qualquer outra instituição conveniada, podem nos buscar nesse endereço”. Ele também ressalta que não há como definir um lugar onde a Assistência é mais demandada, porque há situação de carência em todas as regiões da cidade.


“Não temos um ponto específico de concentração da demanda. No bairro Vila Olavo Costa, zona Sudeste, por exemplo, onde o índice de criminalidade é muito alto, conseguimos instalar o Núcleo Travessia. A nossa intenção para os próximos quatro anos é, justamente, intensificar o atendimento, especialmente nas áreas mais carentes, para aumentar o acesso e diminuir a vulnerabilidade”, reforça.


Não há como precisar, segundo ele, o número total de atendidos pela secretaria, mas Abraão Ribeiro afirma que milhares de pessoas passam por atendimento no sistema por dia. “Ao todo, 1.208 famílias recebem cestas básicas e mais de 53 mil estão cadastradas no Programa Bolsa Família, por exemplo. O que podemos afirmar é que atendemos a muitas pessoas”.

EQUILÍBRIO ENTRE QUALIDADE DE ATENDIMENTO E FALTA DE RECURSOS

]
O desafio de atender com qualidade a uma parcela muito grande da população se torna ainda maior com a crise, no momento em que o Estado e a União estão com menor capacidade de repasse de recursos. “O trabalho social é tripartite, ou seja: é patrocinado pelos recursos dos Governos Municipal, Estadual e Federal. Com a crise econômica que vivemos, que se alonga, obviamente a Secretaria de Desenvolvimento Social sofre com o contingenciamento. Esses atrasos nos pagamentos dificultam muito as ações e exigem um equilíbrio muito grande das despesas e das receitas, para que nenhum serviço deixe de ser prestado”, detalha o secretário.


Segundo ele, principalmente no Estado, que vive uma crise muito grave, essas dificuldades têm sido sentidas de maneira mais intensa. Ribeiro afirma que a administração municipal tem absorvido muitas demandas com o recurso do tesouro municipal. “Isso sobrecarrega muito os cofres da cidade. Com a instituição do Comitê Gestor, que agora é Comitê Financeiro, houve uma economia, que foi empregada pela Prefeitura na Assistência Social, para que a Secretaria não parasse. Por exemplo, o Governo Estadual é responsável pelo repasse das passagens para migrantes em situação de rua. Esse recurso está atrasado há mais de um ano, no entanto, os migrantes continuam recebendo os bilhetes comprados com o dinheiro do município”.


A prioridade para o segundo mandato apontada pelo secretário é continuar atendendo e garantindo o acesso a toda a população. “Queremos melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços, queremos que eles cheguem a atender a todos que precisam. Sabemos que o número de demandas é muito grande, e nem sempre conseguimos dar conta de solucionar todas elas, mas trabalhamos para que ninguém fique descoberto, seja por projetos, programas ou direitos”.

secretario.jpg

Abraão Gerson Ribeiro é formado em Teologia.Teve grande atuação nas capitais Recife e Brasília, coordenando programas sociais. Atuou como Secretário de Desenvolvimento Social da Prefeitura de Juiz de Fora de abril a dezembro de 2016.